Sumo de fruta 100% e saúde metabólica

Este artigo pretende sistematizar alguns estudos que abordam a relação da ingestão de sumos de fruta 100% com alguns aspetos da saúde metabólica.

Controlo Glicémico 

Sabe-se que os alimentos com alto índice glicémico (IG) ou carga glicémica, como o pão branco ou bebidas açucaradas, aumentam rapidamente os níveis de glicose no sangue pós-prandial. Será este o caso dos sumos 100% fruta?

Uma meta-análise recente recolheu evidência de 18 ensaios clínicos randomizados (ECR), envolvendo 960 adultos, que examinaram o impacto do sumo de fruta 100% nos marcadores de controlo glicémico. Muitos dos participantes tinham excesso de peso ou tinham fatores de risco metabólicos, como hipercoles-terolemia ou diabetes tipo 2 (DM2). Comparado com os controlos, os sumos de fruta 100% não tiveram um impacto significativo na glicemia de jejum, HOMA-IRa, insulina nem nos níveis de hemoglobina glicosilada (um marcador de níveis de glicose a longo prazo). Isto sugere que o sumo de fruta 100% tem um efeito neutro global no controlo glicémico.

Outra meta-análise2 examinou 12 ECRs, nos quais participaram 412 adultos obesos ou com fatores de risco para a DM2 ou para a doença cardiovascular. Em metade dos estudos, a ingestão de sumo de frutas 100% foi de 400g por dia ou mais. No entanto, os resultados foram semelhantes aos da meta-análise anterior, observando-se que o consumo de sumo de fruta 100% não afetou significativamente os níveis de glicose de jejum nem a insulina.

A análise de subgrupo revelou que os resultados não foram afetados pelos níveis basais de glicose, pela duração do estudo, pelo tipo de sumo de frutas, pelo índice glicémico de sumo de frutas nem pela qualidade do estudo, o que sugere um efeito consistente transversal a estas populações “de risco”.

Dois fatores podem justificar estes resultados. Ao contrário do que muitas vezes ouvimos dizer, os sumos de fruta 100% não possuem um IG alto. Tabelas IG internacionais revelam que o sumo de maçã 100% tem um IG de 41, enquanto que o sumo de laranja 100% tem um IG de 50 - ambos são inferiores aos dos alimentos com IG baixos, tais como o pão integral e a aveia cozinhada.

Os elevados níveis de polifenóis nos sumos de fruta 100% podem também ser uma explicação, porque se considera que estes compostos podem ter um papel importante na regulação da glicose-insulina, pois parecem inibir a absorção de glicose, estimular a secreção de insulina e a captação de glicose pelas células, além de modularem as vias de sinalização celular, bem como a expressão genética.

Risco de diabetes 

Duas meta-análises foram publicadas com base em dados observacionais prospetivos, o que significa que podem determinar associações, mas não causa-efeito.

A primeira examinou quatro cohortes prospetivos e concluiu que o consumo de sumo de fruta 100% não estava relacionado com o risco de DM2 (RR=1,03, p=0,62).

A segunda avaliou associações com consumo de refrigerantes adoçados com açúcar (17 estudos), refrigerantes adoçados artificialmente (10 estudos) e sumos de fruta 100% e outros sumos de frutas (13 estudos). Os resultados mostraram que o consumo elevado de todas estas bebidas (> 250 ml por dia) aumentou significativamente o risco de DM2.

Os autores comentaram que os resultados para o sumo de fruta 100% (ao contrário dos das bebidas açucaradas) devem ser interpretados com cautela. Em relação ao sumo de fruta 100%, verificou-se um risco relativo baixo de 1,07 e só alcançou significância estatística após o ajuste a vários fatores que introduzem variabilidade, incluindo a adiposidade.

Factores de risco de doença cardiovascular 

É reconhecido o papel das frutas e hortícolas na proteção contra doenças cardiovasculares. Diversos estudos investigaram se o seu consumo em forma de bebida pode trazer benefícios semelhantes. 

Síndrome Metabólica (MetS) - Conjunto de fatores interconectados que aumentam o risco de doença cardíaca. A definição da Federação Internacional de Diabetes está explicita na tabela 1 (consultar anexo).

Silveira et al. realizaram uma experiência de 8 semanas onde os voluntários beberam sumo de toranja 100% (rico em licopeno) diariamente durante 8 semanas.

Comparado com o grupo de controlo, a ingestão de sumo de toranja 100% levou a uma menor pressão arterial e resistência à insulina, e demonstrou evi-dências de efeitos anti-inflamatórios, antioxidantes e redutores de lípidos. Esses efeitos combinados podem ajudar a prevenir a Síndrome Metabólica.

Perfil Lipídico - Um ensaio recrutou adultos com níveis elevados ou normais de colesterol. Um dos grupos bebeu 750ml de sumo de laranja concen-trado (sem adição de açúcar), diariamente, durante 60 dias. Outro grupo (controlo) não bebeu sumo.

Entre aqueles com níveis elevados de colesterol no início, o colesterol de lipoproteína de baixa densidade (LDL-c) foi significativamente reduzido até ao final do estudo, enquanto o colesterol HDL-c aumentou. Estes resultados mostram que o sumo de laranja pode facilitar a transferência de colesterol livre para HDL-c.

Outros trabalhos sobre o HDL-c produziram resul-tados semelhantes. 25 homens e mulheres canadianos saudáveis, com níveis elevados de colesterol total, beberam 1, 2 ou 3 chávenas (250 ml) de sumo de laranja 100% por dia, durante três períodos de 4 semanas, seguidos de um período de pausa de 5 semanas sem consumir sumo.

Beber 750 ml de sumo por dia, e não 250 ml ou 500 ml, aumentou significativamente o HDL-c em 21% no final do estudo (Figura 1), indicando que isso poderia ser benéfico para as pessoas com níveis elevados de colesterol.

O sumo de laranja 100% também pode influenciar os níveis lipídicos em populações ativas.

Num estudo, 13 mulheres ingeriram 500 ml de sumo de laranja diariamente e fizeram 1 hora de treino aeróbico, 3 vezes por semana, durante 3 meses. Os níveis de LDL-c reduziram significativa-mente em 15%, enquanto que o HDL-c aumentou em 18%. Nenhuma mudança significativa foi observada no grupo controlo.

Curiosamente, apenas no grupo do sumo de laranja 100% é que os níveis de ácido láctico no sangue diminuíram ao passo que o desempenho físico melhorou. O elevado nível de ácido láctico no sangue é uma causa comum de cãibras durante o exercício físico e de dores musculares.

Um ECR francês recrutou 24 homens com excesso de peso e selecionou aleatoriamente grupos para beberem 500 ml de sumo de laranja 100%, uma bebida de controlo com hesperidina ou uma bebida placebo, durante 4 semanas. Os resultados mostraram que tanto o sumo de laranja 100% como a hesperidina reduziram significativamente a pressão arterial diastólica e melhoraram a reatividade micro-vascular dependente do endotélio (um indicador de quão bem o revestimento dos vasos sanguíneos se contraem ou relaxam). Isto sugere que os benefícios vasculares da laranja e do sumo de laranja 100% são provavelmente devidos à hesperidina.

Da mesma forma, outro estudo francês constatou que o consumo de sumo de laranja 100%, até 600 ml por dia, durante 4 semanas, aumentou significativamente os níveis de antioxidantes. O que, por sua vez, tem correlação com os níveis plasmáticos de hesperidina e uma redução nas espécies reativas de oxigénio prejudiciais.

Outro trabalho descobriu que o consumo de sumo de laranja 100% pode levar ao aumento, a curto prazo, de oito flavanonas diferentes e 15 compostos fenólicos. As flavanonas são compostos solúveis que não se encontram nas paredes celulares, o que explica sua maior biodisponibilidade no sumo 100% em comparação com frutos inteiros.

Acredita-se que beber misturas de sumos poderá ajudar em vários aspetos do sistema cardiovascular, fornecendo uma variedade de polifenóis e vitaminas.

Gestão de Peso

Um estudo recente envolveu 78 pacientes obe-sos que beberam 500 ml de sumo de laranja 100%, ou uma bebida de controlo, por dia, durante 12 semanas. O sumo de laranja 100% diário, com uma ingestão superior ao dobro do recomendado na Europa, não inibiu a perda de peso (Figura 2), mas aumentou a ingestão de vitamina C e ácido fólico em 62% e 39%, respetivamente. As ingestões de energia não foram afetadas enquanto os perfis de insulina e lípidos foram significativamente melhorados no grupo que consumiu sumo em relação ao controlo.

Outro estudo, não randomizado ou controlado, envolveu 25 participantes com peso normal e 25 obesos que consumiram 750 ml de sumo de laranja 100% por dia, durante 8 semanas. No final do estudo, não houve mudanças estatisticamente significativas na composição corporal. Foram observadas mudanças benéficas no colesterol total, LDL-c, PCR (um marcador de inflamação) e capacidade antioxidante total em ambos os grupos de peso normal e obesos.

Curiosamente, ao olhar para associações em crianças, uma revisão de 22 estudos revelou que o consumo de sumo de fruta 100% ajudou a for-necer nutrientes benéficos sem contribuir para a obesidade pediátrica. Isto é corroborado por uma meta-análise recente de 8 estudos prospetivos, nos quais participaram mais de 34.000 crianças, em que não se verificou associação estatística ou clínica entre o consumo de sumo de fruta 100% e os valores z do índice de massa corporal.

Conclusão

Esta revisão sugere que o sumo de fruta 100%, especialmente o sumo de laranja, aparece associado em estudos clínicos com os seguintes efeitos:

  • Nenhum impacto desfavorável nos níveis de glicose ou insulina no sangue, e nenhuma associação estatisticamente significativa com o risco de DM2;
  • Níveis reduzidos de colesterol total e LDL e níveis mais elevados de colesterol HDL;
  • Fornecimento de uma fonte de hesperidina juntamente com uma variedade de polifenóis e vitami-nas que possuem ações antioxidantes no corpo;
  • Nenhum impacto comprovado na composição corporal dos adultos, nem no excesso de peso em crianças, mesmo quando consumido por adultos com excesso de peso, com ou sem uma dieta reduzida em energia.

Título de Artigo

[1] Courtney Moore M et al. (2001)

Acute Fructose administration improves oral glucose tolerance in adults with type 2 diabetes. Diabetes Care 24:1882–1887

[2] Xi B. et al. (2014)

 Intake of fruit juice and incidence of type 2 diabetes: a systematic review and meta- analysis. PLoS ONE 9: e93471

[3] Wang B. et al. (2014)

Effect of fruit juice on glucose control and insulin sensitivity in adults: a meta- analysis of 12 randomized controlled trials. PLoS ONE 9: e95323

[4] Imamura F. et al. (2015)

Consumption of sugar sweetened beverages, artificially sweetened beverages, and fruit juice and incidence of type 2 diabetes: systematic review, meta-analysis, and estimation of population attributable fraction. BMJ. 351: h3576

[5] Imamura F. et al. (2015)

Consumption of sugar sweetened beverages, artificially sweetened beverages, and fruit juice and incidence of type 2 diabetes: systematic review, meta-analysis, and estimation of population attributable fraction. BMJ. 351: h3576

[6] Muraki I et al. (2013)

Fruit consumption and risk of type 2 diabetes: results from three prospective longitudinal cohort studies. BMJ 347: f5001

[7] Chen L. et al. (2012)

Pre-pregnancy consumption of fruit and fruit juices and the risk of gestational diabetes mellitus. Diabetes Care 35: 1079-82

[8] Jenkins D.J.A. et al. (2011)

The relation of low glycaemic index fruit consumption to glycaemic control and risk factors for coronary heart disease in type 2 diabetes. Diabetologia 54: 271-9

[9] Jenkins D.J.A. et al. (2011)

 The relation of low glycaemic index fruit consumption to glycaemic control and risk factors for coronary heart disease in type 2 diabetes. Diabetologia 54: 271-9

[10] Liu Y et al. (2017)

The effect of genistein on glucose control and insulin sensitivity in postmenopausal women: A meta-analysis. Maturitas 97: 44-52

[11] Livesey G (2009)

Fructose Ingestion: Dose-Dependent Responses in Health Research. J Nutr 139: 1246S–52S

[12] Macdonald IA (2016)

A review of recent evidence relating to sugars, insulin resistance and diabetes. Eur J Nutr 55: 17-23

[13] Sluik D et al. (2015)

Fructose consumption in the Netherlands: the Dutch National Food Consumption Survey 2007-2010. Eur J Clin Nutr 69: 475-81

[14] Gibson SA (2015)

Personal communication; in relation to National Diet and Nutrition Survey (UK)