Os nutrientes dos sumos de fruta 100% são biodisponíveis, mas os sumos processados parecem revelar vantagem sobre a fruta inteira para os bioativos

De acordo com os regulamentos da UE, os sumos 100% de fruta não têm nada adicionado nem retirado e, por isso, reproduzem o conteúdo nutritivo da fruta a partir da qual são feitos. A composição nutricional por cada 100g dos sumos 100% de laranja é apresentada abaixo. Os valores a cor-de-laranja representam alegações oficiais que podem ser feitas nas embalagens de sumo.  

Fruitjuicematters

Além destes nutrientes, os sumos 100% de fruta contêm substâncias bioativas, tais como os carotenoides (principalmente luteínas e cripto xantinas), polifenóis (hesperidina e narirutina, que estão dentro do grupo flavonoides) e pectina (fibra). 

 Em ensaios clínicos, a hesperidina mostrou ter um impacto benéfico sobre os distúrbios neurológicos, distúrbios psiquiátricos e doenças cardiovasculares. Esta ação ao nível da saúde do cérebro pode dever-se aos flavonoides cítricos que atravessam a barreira hematoencefálica, e que parecem ter um potencial papel ao nível da diminuição do risco de neurodegeneração. São também atribuídos à hesperidina efeitos antioxidantes e antialérgicos, atividade imunomoduladora, alívio de distúrbios hormonais, atividade antiúlcera e potencial de cicatrização de feridas. 

O que é biodisponibilidade?

Biodisponibilidade é a quantidade de nutrientes dos alimentos disponível para absorção e utilização pelo organismo. Por exemplo, o espinafre é um alimento bom fornecedor de ferro, mas devido a outros componentes naturais, como o ácido oxálico, menos de 10% é absorvido. Contudo, certos alimentos e nutrientes podem otimizar a biodisponibilidade. No caso do espinafre, a absorção deste micronutriente (ferro) pode ser melhorada recorrendo à vitamina C, por exemplo, através da ingestão de um sumo 100% de laranja. 

Os nutrientes do sumo de fruta 100% são biodisponíveis?

A biodisponibilidade dos polifenóis do sumo 100% de laranja foi medida em 12 adultos com uma dieta baixa em polifenol durante 2 dias antes de ingerirem 250ml de sumo 100% de laranja enriquecido com polpa ou uma bebida placebo, ao que se seguiu uma paragem de 2 duas semanas. O sumo 100% de laranja contém 584mmol de polifenóis, principalmente como flavonoides.

Uma amostra de urina com 24 horas mostrou que os metabolitos do flavonoide estavam a aparecer 2 a 10 horas após o consumo, o que é consistente considerando que os flavonoides são absorvidos tanto no intestino delgado como no intestino grosso. Os catabolitos de flavonoide (produzidos durante a paragem de 2 semanas) foram vistos em grandes quantidades, equivalente a 88% do que havia sido consumido. Esses dados sugerem que os polifenóis do sumo 100% de laranja parecem estar mais biodisponíveis do que o que se acreditava anteriormente. 

Outro estudo examinou a biodisponibilidade de nutrientes e substâncias bioativas no sumo 100% de laranja. Durante 3 semanas, 13 adultos saudáveis, de peso normal, beberam, diariamente, 236ml de sumo, o que fornecia 256mg de vitamina C, 229mg de hesperidina, 6mg de carotenoides e 160μg de folato. 

Em comparação com o ponto de partida, a amostra de sangue revelou um aumento significativo nos níveis de nutrientes, i.e., os níveis de vitamina c e folato aumentaram cerca de 50%, enquanto os níveis de flavonoides aumentaram 8 vezes. Os níveis de carotenoides aumentaram 22%. Os resultados das análises à urina confirmaram uma excreção 9 vezes maior de flavonoides que voltaram aos níveis iniciais 2 semanas após ter sido concluído o consumo de sumo. 

Curiosamente, o peso dos participantes não mudou durante o estudo e os participantes relataram uma menor ingestão de lanches e menores porções de comida às refeições.

Fruitjuicematters

Os sumos de fruta são comparáveis à peça de fruta? 

Aschoff et al. (2015)8 compararam a biodisponibilidade de β-criptoxantina, luteína, zeaxantina e zeinoxantina de laranjas inteiras (400g) versus o sumo 100% de laranja pasteurizado (719g). Num estudo cruzado randomizado em 12 participantes, a mesma quantidade de β-Criptoxantina foi administrada em ambos os testes. As amostras de sangue foram retiradas hora a hora durante as 10 horas seguintes.

Os resultados mostraram que β-criptoxantina esteve 1.8 vezes mais biodisponível em sumos 100% de laranja do que em laranjas inteiras. Baseado num método in vitro, independente, β-criptoxantina esteve 5 vezes mais biodisponível em sumos 100% de laranja do que em laranjas inteiras (quadro abaixo para β-criptoxantina; houve também uma tendência similar, embora não estatisticamente significativa, para a luteína):

As diferenças podem ser devido aos níveis elevados de pectina da fruta inteira, que inibem a absorção na fruta inteira, ou à rutura das paredes celulares no sumo 100% de laranja, levando a uma maior libertação de β-Criptoxantina. Outros estudos9 descobriram que os carotenoides presentes no sumo 100% de laranja estão na forma de gotículas, o que pode explicar por que é que a absorção é maior no sumo 100% de fruta do que na peça de fruta.

Um estudo semelhante examinou a biodisponibilidade dos flavonoides, hesperidina e narirutina nos sumos 100% de laranja versus nas laranjas inteiras. Isto foi feito através do rastreio à excreção da quantidade de flavonoides na urina. Apesar do conteúdo de hesperidina das laranjas ser 2 a 3 vezes maior do que nos sumos 100% de laranja, a excreção de hesperidina (o metabolito) na urina nas 24 horas seguintes foi semelhante. 

Isto pode querer dizer que a absorção e o metabolismo dos flavonoides estão saturados quando a ingestão excede um certo limite, talvez devido à baixa solubilidade ou às limitações dos mecanismos de transporte no intestino. Pode ainda significar que os flavonoides na fruta não estão tão biodisponíveis devido à quantidade de fibra presente. A fibra alimentar nas laranjas é 16 vezes maior do que a do sumo 100% de laranja. 

Papel dos bioativos no corpo

Vários estudos confirmaram o potencial impacto sobre a saúde dos compostos bioativos encontrados no sumo 100% de fruta. Num teste controlado em participantes diabéticos, a hesperidina reduziu o dano oxidativo do DNA e a peroxidação lipídica. Noutro teste, baixou o total de β-criptoxantina, o colesterol de HDL e LDL e modificou positivamente os marcadores de remodelação óssea. A luteína e a zeaxantina estão relacionadas com a restauração parcial da visão em pessoas com degeneração macular devida à idade13, enquanto os flavonoides cítricos podem diminuir o risco de doença neurodegenerativa. As alegações de saúde da UE ainda não foram autorizadas para flavonoides cítricos, mas existem reivindicações para polifenóis de azeitona (oxidação de lipídios no sangue) e flavonoides de cacau (saúde vascular).

Conclusão

Este conjunto de estudos mostra que: 

• O sumo 100% de fruta, especialmente o sumo 100% de laranja, é uma fonte valiosa de nutrientes e bioativos tais como carotenoides e flavonoides. 

• Estes nutrientes estão biodisponíveis no sumo 100% de fruta. 

• O sumo 100% de fruta processado tem uma biodisponibilidade de flavonoides semelhante à fruta, mas uma maior biodisponibilidade de carotenoides. 

 • Estudos sugerem que os bioativos da fruta podem representar um papel importante no suporte a um bom estado de saúde e reduzir o risco de algumas doenças crónicas.  

Título de Artigo

[1] Cervantes-Paz B et al. (2017)

Effects of pectin on lipid digestion and possible implications for carotenoid bioavailability during pre-absorptive stages: A review. Food Res Int 99: 917-927.

[3] Stuetz W et al. (2016)

Plasma Carotenoids, Tocopherols, and Retinol in the Age-Stratified (35-74 Years) General Population: A Cross-Sectional Study in Six European Countries. Nutrients 8: E614.

[4] Cirmi S et al (2016)

Neurodegenerative Diseases: Might Citrus Flavonoids Play a Protective Role? Molecules 21. pii: E1312.

[5] Liu R et al. (2014)

Lutein and zeaxanthin supplementation and association with visual function in age-related macular degeneration. Invest Ophthalmol Vis Sci 56 :252-8.

[6] Granado-Lorencio F et al. (2014)

Effect of β-cryptoxanthin plus phytosterols on cardiovascular risk and bone turnover markers in postmenopausal women: a randomized crossover trial. Nutr Metab Cardiovasc Dis 24: 1090-6. 

[7] Homayouni F et al. (2017)

Hesperidin Supplementation Alleviates Oxidative DNA Damage and Lipid Peroxidation in Type 2 Diabetes: A Randomized Double-Blind Placebo-Controlled Clinical Trial. Phytother Res 31: 1539-1545.

[8] Nayak B et al. (2015)

Effect of processing on phenolic antioxidants of fruits, vegetables, and grains--a review. Crit Rev Food Sci Nutr 55: 887-919. 

[9] Silveira JQ et al. (2014)

Pharmacokinetics of flavanone glycosides after ingestion of single doses of fresh-squeezed orange juice versus commercially processed orange juice in healthy humans. J Agric Food Chem 62: 12576-84.

[11] Aschoff JK et al. (2015)

Bioavailability of β-cryptoxanthin is greater from pasteurized orange juice than from fresh oranges - a randomized crossover study. Mol Nutr Food Res 59: 1896-904.

[12] Franke AA et al. (2005)

Bioavailability and antioxidant effects of orange juice components in humans. J Agric Food Chem 53: 5170-8.

[13] Pereira-Caro G et al. (2014)

Orange juice (poly)phenols are highly bioavailable in humans. Am J Clin Nutr 100: 1378-84.

[15] Garg A et al. (2001)

Chemistry and pharmacology of the Citrus bioflavonoid hesperidin. Phytother Res 15: 655-69.

[16] Hwang SL et al. (2012)

Neuroprotective effects of citrus flavonoids. J Agric Food Chem 60:877-85. 

[17] Li C & Schluesener H (2017)

Health-promoting effects of the citrus flavanone hesperidin. Crit Rev Food Sci Nutr 57: 613-631. 

[18] Aschoff JK et al. (2016)

Urinary excretion of Citrus flavanones and their major catabolites after consumption of fresh oranges and pasteurized orange juice: A randomized cross-over study. Mol Nutr Food Res 60: 2602-2610.