O papel do sumo de fruta 100% na alimentação

O perfil nutricional de quem bebe sumo 100% fruta

O sumo 100% de laranja está ligado à ingestão das quantidades recomendada de vitamina C. A Vitamina C contribui para a formação natural de colagénio, para a formação dos ossos, cartilagens e das veias sanguíneas.
O sumo 100% de laranja é uma fonte de potássio que contribui para o normal funcionamento dos músculos e para a manter pressão arterial estável.
O sumo 100% fruta contém ácido fólico que contribui para o crescimento dos tecidos uterinos durante a gravidez, para o normal funcionamento sistema imunitário e para a redução do cansaço e fadiga.
O sumo 100% de laranja tem um índice glicémico de 50, que é baixo. A evidência científica aponta que o consumo habitual de sumo 100% fruta não é um fator de risco para quem tem diabetes tipo 2.
Uma porção diária de 150ml de sumo 100% de laranja é um bom acompanhamento para um pequeno-almoço rico em ferro (tal como papas de aveia e cereais fortificados com ferro). A Vitamina C ajuda o organismo a absorver o ferro.
Apenas entre os 6% e os 24% das crianças europeias cumpre as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) de consumir 400 gramas de fruta e vegetais por dia. O sumo 100% fruta, embora não seja equivalente a uma peça de fruta inteira, pode ajudar a cumprir as recomendações nutricionais. De facto, as pessoas que bebem sumo 100% fruta também consomem mais fruta. Os estudos também revelam que o sumo 100% fruta complementa a fruta, em vez de substituí-la.
Um copo de sumo 100% fruta por dia poderia aumentar o comprimento das recomendações europeias para o consumo de fruta em 51%

Aviso legal: Todo o esforço foi feito para garantir que as informações contidas neste documento sejam confiáveis e verificadas. A informação destina-se à comunicação não-comercial apenas para profissionais da saúde. Não é destinada para consumidores. A AIJN não terá nenhuma responsabilidade se a informação em causa for utilizada ou apresentada para fins promocionais ou comerciais.

Em todo o mundo, uma grande percentagem da população – crianças, jovens e adultos – não consome a quantidade de fruta e hortícolas recomendada pelas orientações clínicas e das sociedades científicas. O consumo de sumo de fruta, que é mais elevado nas crianças, diminui gradualmente na adolescência, sendo na idade adulta que os níveis de consumo são mais baixos. 

Consumo de sumo de fruta 100% a nível global 

Uma publicação de 2010 analisou o consumo de sumos 100% de fruta em 569.000 pessoas de 46 países em todo o mundo. Revelou um consumo mais elevado na Australásia (156 ml/dia) e, em média, os países Asiáticos apresentavam níveis de consumo inferiores, sendo os mais reduzidos observados na Ásia de Leste (com apenas 3 ml/dia). Em média, o consumo era mais elevado em países mais ricos: 60 ml/dia versus 7 ml/dia em países mais pobres. Em todas as áreas geográficas consideradas, o consumo era mais elevado nas mulheres face aos homens.

Consumo de sumos de frutas ao longo do tempo

Considerando inquéritos realizados durante vários anos em Itália, é possível compreender como os hábitos de consumo têm vindo a mudar relativamente à escolha de fruta, hortícolas e sumos de fruta. O consumo de sumos 100% de fruta foi semelhante nos primeiros dois inquéritos, realizados em 1980-84 e em 1994-96, referindo ambos o consumo médio diário de sumos de fruta de 21 ml/dia. Os dados do inquérito mais recente, em 2005-06, demonstram um aumento para 64 ml/dia.

Porções adequadas 

No Reino Unido, os consumidores são aconselhados a beber até 150 ml de sumo de fruta diariamente e esta quantidade é contabilizada como uma porção de fruta, numa recomendação de 5 porções de frutohortícolas por dia. Esta quantidade é equivalente a 62 kcal, ou a cerca de 3% de energia diária, com base numa dieta com 2 000 kcal por dia. Em Itália, a porção recomendada de sumo de fruta é 200 ml.

Nos Estados Unidos, as Dietary Guidelines (Orientações Alimentares) 2015-2020 usam uma medida “equivalente a um copo”, igual a 237 ml, como referência para fruta completa e sumo de fruta. As orientações recomendam o consumo diário de duas medidas equivalentes a um copo de fruta, das quais menos de metade deverá ser sob a forma de sumo de fruta não açucarado. Para a American Heart Association, as porções de fruta e de sumo de fruta coincidem e cada uma corresponde a metade de um copo, i.e. 4 oz [onças] (equivalente a metade de uma peça de fruta ou 115 ml de uma bebida). Uma das porções de fruta recomendada pode ser substituída pelo consumo de sumo 100% de fruta. 

O sumo de fruta substitui o leite? 

Com base nos dados de dois estudos realizados em crianças e adolescentes nos Estados Unidos, um maior consumo de sumo de fruta, hortícolas e fruta não esteve associado a um menor consumo de leite. Foi observado um cenário semelhante numa análise secundária 9 no inquérito realizado no Reino Unido, UK National Diet and Nutrition Survey, que revelou que os consumidores de sumo de fruta tendencialmente ingeriam mais fruta à peça (adultos e adolescente) e tinham mais probabilidade de alcançar três a cinco porções diárias de fruta e hortícolas. Pelo contrário, as pessoas que não consumiam sumo de fruta tinham menos probabilidade de alcançar os níveis recomendados nas orientações. 

Consumo de sumos de fruta versus fruta e hortículas 

As estimativas do estudo NHANES (2007-2010) indicam que apenas 40% das pessoas com idade dos 1 aos 18 anos referem consumir fruta nos termos das Orientações dos EUA. Foram observados níveis mais elevados de consumo no grupo etário dos 2 aos 5 anos, mas que diminuíram gradualmente com a idade. As crianças deste grupo consumiam menos fruta inteira e mais sumos de fruta em comparação com os grupos dos mais velhos, em que esta tendência se reverteu. Analisando o aporte total de fruta, cerca de 35% tem como fonte os sumos de fruta e esta percentagem mantem-se nos dados mais recentes obtidos no estudo NHANES 2011–201210. 

Consumo de sumos de frutas, frutas e hortícolas ao longo da vida

Os hábitos alimentares durante a infância são importantes fatores determinantes para o consumo de frutas e hortícolas nas fases subsequentes da vida. Uma vez que estes hábitos têm repercussões no comportamento na idade adulta, as escolhas alimentares saudáveis devem ser encorajadas desde a primeira infância. O consumo de sumos de fruta, que é mais elevado no grupo etário dos 2 aos 5 anos, diminui gradualmente na adolescência, sendo os níveis de consumo mais reduzidos observados na idade adulta.

Durante a adolescência ou mesmo ainda antes, há uma queda abrupta no consumo de fruta e hortícolas, que depois é retomada na idade adulta. Globalmente, uma grande parte da população – tanto durante a fase de desenvolvimento como na idade adulta – não consome as quantidades de fruta e vegetais recomendadas pelas orientações clínicas e pelas sociedades científicas.

Alguns inquéritos europeus (Irlanda, Holanda e Reino Unido) realizados entre 2003 e 2006 em crianças e adolescentes entre os 4 e os 18 anos de idade, demonstram que o consumo de frutas e hortícolas aumenta em linha com o consumo de sumos de fruta. Um grande inquérito que procurou avaliar as escolhas de bebidas em 2.741 adolescentes europeus revelou que cerca de metade dos adolescentes referia consumir sumos de fruta. A quantidade média diária era de 132 ml (equivalente a cerca de 70 kcal).


Conclusão:

Dados internacionais sugerem que o consumo de frutas, hortícolas e sumos 100% de fruta varia de acordo com a idade, o género e o país. O consumo de sumos de fruta é superior em países desenvolvidos, crianças pequenas e nas mulheres. Entre a infância e a adolescência a ingestão de sumos de fruta tende a diminuir, com cerca de metade dos adolescentes europeus a referir o seu consumo. Beber sumo de fruta está correlacionado com maiores ingestões de fruta, e não parece substituir o leite. Nas recomendações, vários países apresentam como equivalente uma porção diária de sumo de fruta e uma porção de fruta.

Título de Artigo

[1] Minaker L & Hammond D (2016)

Low frequency of fruit and vegetable consumption among Canadian youth: Findings from the 2012/2013 Youth Smoking Survey. J School Health 86: 135 – 42

[3] Duffey KJ et al. (2012)

Beverage consumption among European adolescents in the HELENA Study. Eur J Clin Nutr 66: 244–252

[4] Gibson S & Ruxton CHS (2016)

Fruit juice consumption is associated with intakes of whole fruit and vegetables, as well as non-milk extrinsic sugars: a secondary analysis of the National Diet and Nutrition Survey. Proc Nutr Soc 75 (OCE3): E259

[5] Oude Griep LM et al. (2011)

Raw and processed fruit and vegetable consumption and 10-year stroke incidence in a population-based cohort study in the Netherlands. Eur J Clin Nutr 65: 791-9

[6] Cavallo F (2016)

4th Italian report from the international study HBSC. Ministero della Salute. Centro per la Prevenzione e il Controllo delle Malattie. Strampatre s.r.l. Torino

[7] Nardone P Il Sistema di sorveglianza OKkio alla SALUTE: risultati (2010)

Centro Nazionale di Epidemiologia, Sorveglianza e Promozione della Salute. Istituto Superiore Sanità (2016) Roma 

[8] Singh GM et al. (2015)

Global burden of diseases nutrition and chronic diseases expert group. Global, regional and national consumption of sugar-sweetened beverages, fruit juices and milk: a systematic assessment of beverage intake in 187 countries

[9] Leclercq C (2009)

The Italian National Food Consumption Survey INRAN-SCAI 2005-06: main results in terms of food consumption. Publ Health Nutr 12: 2504-2532

[10] Kim SA (2014)

Vital Signs: Fruit and Vegetable Intake Among Children - United States, 2003–2010. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 63: 671-6

[11] Herrick KA (2015)

Fruit Consumption by Youth in the United States. Pediatrics 136: 664-71

[12] Fulgoni VL (2012)

National trends in beverage consumption in children from birth to 5 years: analysis of NHANES across three decades. Nutr J 11: 92

[13] US Department of Health and Human Services and US Department of Agriculture (2015)

2015-2020 Dietary Guidelines for Americans. (2015) 8th Edition

[14] Società Italiana di Nutrizione Umana – SINU (2014)

Livelli di Assunzione di Riferimento di Nutrienti ed energia per la popolazione italiana –  IV Revisione. SICS Ed

[15] Lewis HB et al. (2012)

How much should I eat? A comparison of suggested portion sizes in the UK. Public Health Nutrition 15: 2110-7

[16] Gibson S et al. (2009)

Associations between added sugars and micronutrient intakes and status: further analysis of data from the National Diet and Nutrition Survey of Young People aged 4 to 18 years. Br J Nutr 101: 100–107

[17] O’Connor L et al. (2013)

Dietary energy and its association with the nutritional quality of the diet of children and teenagers. J NutrSci 2: e10